quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Doramas de 2016 em 2017


Olá Grifos! Estamos em Fevereiro e a temporada de 2017 de doramas já começou mas devido a questões da vida mesmo esse top cinco, muito difícil de selecionar só está saindo agora.
"Grifo: Ah! Mas tá tarde pra melhores do ano, já estamos no Carnaval!
M. Darcy: Querido Grifo, 1. Nunca se está tarde demais no mundo dos doramas; 2. Dizem que o ano só começa depois do carnaval; 3. Ao que parece 2017 ainda não chegou. Estamos em 2016.2! <3"
Esclarecimentos feitos, quero deixar, como forma do meu apreço, o que escrevi quando comecei a montar essa budega, por favor leiam:


"Olá Grifos! Como estão? Sim nós já encerramos 2016 graças a deus mas, apesar de ter sido um ano pombo na maioria dos aspectos, um dos aspectos que salvaram a mim e a muitos viciados, foram os doramas produzidos em 2016, maravilhosos em sua maioria, apesar de não ter conseguido acompanhar todos e antes que a temporada de 2017 chegue pra me matar, quero tentar selecionar três... não! Cinco dos meus doramas preferidos, levando em conta que eu ainda to sendo baleada por Goblin... Enfim... To no chão mas tô feliz!"



1. Age of youth:


Sinopse rápida: O dorama gira em torno do cotidiano de cinco garotas que moram em uma pensão que é na verdade um apartamento muito lindo, e cada uma tem uma história e um passado mistérioso ou um presente tortuoso. Cada uma com suas peculiaridades vão passando de pessoas que moram juntas a amigas inseparáveis, e nós acompanhamos isso de perto no dorama.

Minhas impressões: Esse dorama à primeira vista pode parecer bobo e clichê mas, se você para e assiste, além de ser divertidíssimo e ter um lado leve e descontraído, ele aborda as dificuldades de cinco jovens adultas e processo para buscar suas identidades, além de tratar de assuntos como assedio no trabalho por parte do chefe, prostituição ( De leve. para a reflexão.) relacionamento abusivo e mais um monte de temas que eu nunca tinha visto em doramas, pelo menos não que eu me lembre e sendo tão bem trabalhados assim. 
A parte do romance é muito bem trabalhada também e elas ate tem namorados ou amigos coloridos mas, isso vem em segundo plano, elas tem características muito humanas e diferente de outros doramas elas fogem das protagonistas engraçadas ou "pobres mas, orgulhosas" que vemos tanto nos doramas coreanos elas são todos os tipos de protagonistas juntas em um dorama só. <3



2. Another Miss Oh:


Sinopse: Oh Hae Young (Seo Hyun-Jin) viveu toda a sua infância e adolescência à sombra de uma garota muito bonita e popular e para piorar tudo essa garota tinha o mesmo nome que ela, Oh Hae Young (Jeon Hye-Bin), ela acaba por desenvolver um complexo; mas passam se anos e nossa prota tá super de boas com um emprego legal e um casamento marcado e nada da "Outra senhorita Oh", de repente o noivo dela Han Tae Jin (Lee Jae-Yoon) termina com ela com uma desculpa ridícula.
Ela encontra um estranho com um sorriso lindo e muito gostoso com quem chora sobre o fim do seu noivado e ele também fora abandonado no altar. Park Do Kyung (Eric) era o noivo da "outra Oh Hae Young"!


Minhas impressões: A protagonista era daquelas muito engraçadas que do nada sofre feito uma condenada quando se apaixona pelo Park Do Kyung e como não gamar minha gente? Observem esse sorriso:



O que eu dizia mesmo? Ah sim! O que eu gosto nessas protagonistas engraçadas é que geralmente elas são muito honestas com seus sentimentos mas claramente isso não é bom pra elas porque o boy começa a bancar o difícil e foi o que aconteceu aqui. Com o passado deles e tudo mais eles demoram um tempão pra ficarem juntos mas olha que vale a pena esperar...


Enfim, tem umas paradas psicológicas ou psicodélicas no drama que eu não entendi ate agora, um noona romance que amo mais que a vida, e um casal secundário secundário muito engraçado. Acho que eu nunca vou conseguir superar esse dorama... <3



3.  Weightlifting Fairy Kim Bok-Joo:

No popular, Fada levantadora de peso; é um dorama em que os personagens são atletas, e sim. Eu demorei a assistir por puro preconceito e estou refletindo profundamente sobre meus atos, porque o dorama é perfeito e eu percebi com isso que a vida me deu mais um tapa na cara com essa lição.
"Não é porque você não gosta de praticar esportes que não vai gostar de doramas que envolvam esportes!" - Vida (Devolva minhas fantasias, meu sonho de viver a vida...)

Sinopse Rápida: Kim Bok Joo ( Lee Sung Kyung) é uma levantadora de pesos, que estuda para ser uma profissional e competir pela Coréia do Sul; a Universidade em que ela estuda tem um departamento de esportes onde todos os tipos de atletas convivem; lá também está seu amigo de infância Joon- Young Jung, que treina para ser um nadador profissional da liga coreana mas devido a alguns problemas familiares seu desempenho vem sendo comprometido.




O setor de esportes da Universidade é dividido em gangues, a dos nadadores, levantadores de peso, ginastas etc... O dorama vai contar basicamente com as dificuldades da vida dos atletas como corte de gastos se eles não ganham medalhas, por exemplo; com a história individual de cada personagem, muita comédia e com o romance, claro! #SwagCouple



O que eu gostei nesse dorama foi a abordagem das dificuldades da vida de atleta, que nem sempre eles tem certeza, que eles são humanos e é sempre muito difícil seguir esse sonho e que não é porque estão pensando em desistir que o amor e admiração pelo esporte deixaram de existir, simplesmente acontece de se ter momentos de dúvida.
Outra coisa que eu amei foi a Bok Joo ser muito forte na personalidade e no físico e ir aprendendo que isso não a impede de ser feminina ou de fazer aquilo que bem entende. Enfim o dorama tem uma abordagem cômica muito divertida,  você ri o tempo inteiro e no resto do tempo shippa ela com Joon Young. <3 Aqueles casais que a gente shippa pra vida. <3



4. Doctors Crush:



Pois é doramieros do meu coração, eu amo a Park Shin Hye sim, e vou planfetar esse drama maravilhoso. Finalmente a Shin Hye saiu da zona de conforto dela e escolheu um papel de protagonista forte e decidida e QUE LUTA! Eu quase morri de felicidade.





Sinopse rápida: Depois de perder a avó para um erro médico a personagem da Shin Hye que sempre foi boa em luta e em se meter em problemas acaba por estudar medicina para investigar a cirurgia de sua avó mas acaba reencontrando aquele professor crush que todas nós temos em algum momento da vida e eles acabam começando a namorar e juntos resolvem as tretas médicas do dorama.
Claro que tem outros personagens mas a protagonista podia muito bem fazer tudo sozinha de tão maravilhosa que ela era; mas já que colocaram outras personagens podiam ter dado um pouco mais de espaços pra elas, né? Enfim...



5. Goblin:




Quem acompanha dorama e quem não acompanha também, já ouviu pelo menos o nome desse dorama. Eu fiquei genuinamente impressionada com a jogada de marketing envolvendo Goblin e Train to Busan, ambos protagonizados pelo todo gostoso e talentoso Gong Yoo; que foi fundamental para o sucesso dos dois projetos, na minha singela opinião...


Veio falar pra mim que o Gong Yoo é lindo e talentoso.
Logo eu que assisti Big. <3

Sinopse rápida: Kim Shin era um grande general que foi morto pelo recalque do Rei da Coréia, em uma era que eu não sei dizer o nome mas que se passou há pelo menos uns 300 anos; nisso que ele morre varias pessoas rezam para que ele não morra, pessoas do reino que o admiravam e o amavam, e por isso ele se torna um Goblin, que não historia do dorama é um ser que tem poderes de um deus mas que está sujeito aos poderes de uma força maior que ele, um outro deus? maior que ele? Confesso que essa parte não entendi bem. Ele se torna imortal como castigo pelos pecados dele e só vai poder morrer quando encontrar sua noiva que vai poder tirar a espada e finalmente dar seu descanso eterno.
Amei o dorama mas o final foi meio... pombo? É a palavra?

Era isso galera Até mais! o/

Fiquem com o Ji Sub! <3



Todos os doramas dessa lista podem ser assistidos no DramaFever mas se você não é Premium você pode assistir online ou baixar quatro deles no Kingdom Fansub, Doctor Crush vocês encontram no Fighting Fansub ambos necessitam de cadastro mas é bem simples e gratuito. <3

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Beijos, Laurel.

A morte, ainda que faça parte do ciclo da existência, não é uma situação com a qual seja fácil ou simples de lidar. E se ela leva para longe alguém tão próximo, de grande significado e importância, é ainda mais doloroso.

Laurel perdeu a irmã May há alguns meses. A irmã que a convencera de que, quando crianças, elas eram fadas. A garota que era sua melhor amiga, seu porto seguro. Ter de viver com sua ausência é desafiador, mas além da dor de perdê-la, Laurel sente a culpa assolar-lhe os ombros: ela poderia ter feito algo para impedir o que acontecera naquela noite? 

Mudança de escola. Novas pessoas. É o primeiro passo tomado por Laurel para que não seja encarada como a garota que perdera a irmã. Sem especulações ou questionamentos.

Novos amigos. Um garoto. Uma atividade de Inglês. Esse conjunto será responsável por seu crescimento e irá ajudá-la não apenas a conviver com a dor da ausência, mas confrontar a si mesma para tentar lidar com dores e amarguras de seu passado.

A atividade consiste em escrever uma carta para alguém que faleceu. Laurel escreve não apenas uma, mas várias, destinadas a pessoas que têm significado não apenas para ela, mas para May, sua tia, seus amigos... 


Kurt Cobain, Amy Winehouse, Amelia Earhart, Heath Ledger (💚) são algumas das personalidades com quem ela conversa: conta de sua nova rotina, apresenta seus medos e inseguranças, compartilha suas alegrias e traz para nós, leitores, alguns aspectos e considerações sobre a vida da pessoa para a qual está escrevendo.


Devo confessar que esperei ansiosa por essa carta :') Ainda que Laurel tenha escrito apenas uma para Heath, é uma de minhas favoritas <3
Houveram momentos (poucos, para falar a verdade) em que as ações e pensamentos de Laurel me irritaram, mas daí parei e pensei: hey, já fui uma adolescente e também vivi os dramas e inseguranças dessa fase. Então sim, é completamente compreensivo e relevante.

Entretanto, um dos aspectos que mais me cativaram foi que, ainda que Laurel seja a protagonista, a autora soube inserir os dilemas das pessoas ao seu redor - May (através de memórias), os pais, amigos, o namorado - e nos permitiu enxergar - mesmo que não de maneira tão aprofundada - suas lutas internas, sonhos e perspectivas.

Redescobrir-se. Abrir-se para novas experiências e finalmente permitir-se sentir um pouco de paz: essa é a trajetória de Laurel contada de maneira singela e tocante por Ava Dellaira. Tal simplicidade aliada ao sentimento de libertação, paz e crescimento experimentados pela garota - assim como por seus pais e amigos - tornaram esse um dos grandes favoritos a melhores do ano!

" - O Universo é maior do que qualquer coisa que cabe na sua cabeça" p. 118.

Nunca avaliei livros por aqui mas para tudo há uma primeira vez, certo? E como a música é um elemento constante na história, nada mais justo do que dar-lhe:

♪♪♪♪

Quem já leu e quer compartilhar sua experiência, por favor, fique à vontade <3 E quem se sentiu curiosa / curioso, não perde tempo e dá uma chance pra esse livro. Palavra de honra que vale a pena conhecer Laurel e sua trajetória <3



Ficha Técnica:

Título: Cartas de Amor aos Mortos
Autora: Ava Dellaira
Editora: Companhia das Letras - Selo Seguinte
Tradutora: Alyne Azuma
N° de Páginas: 344

{C.Schreave}


terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

As Crônicas da Verdade - O destino. \o/ Leitura de Janeiro




Olá Grifos! Como estão?
Antes que vocês me perguntem: Não, não é uma novela mexicana! hahahahaha
Se bem que a ideia...


Absolutely not! U_U

Imagine que você, meu caro grifo, é uma garota de 12 anos de idade, chamada Dina; que vive com seus dois irmãos e sua mãe Melussina em um pequeno vilarejo, chamado Birches, no reino de Dunark.
Agora imagine que você não é uma menina comum...



Não é bem isso mas tá no rumo...

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

A Bússola de Ouro - Fronteiras do Universo (livro) 🐾




Título: A Bússola de Ouro

Autor: Philip Pullman


Editora: Objetiva

Tradutora: Eliana Sabino

Páginas: 365

Ano/edição: 2013




Esse livro eu conheci por causa do filme de 2007 com a Nicole Kidman e a Eva Green   Isso é igual Nárnia: amor até hoje. É uma excelente história de fantasia/distopia numa realidade diferente da nossa, onde a Igreja continuou no poder e onde cada ser humano tem uma parte de si para fora do corpo na forma de algum animal.    

Vamos com calma. ^^

Lyra Belacqua é a personagem principal do livro. Ela foi criada na Faculdade de Jordan, tendo uma aula ou outra com os professores da faculdade. Ao longo da história percebemos que há algo errado com o conhecimento do mundo dela, ele chega a ser meio atrasado em relação ao nosso, e começa a surgir aí a sútil crítica à Igreja Católica, já que é um universo paralelo onde ela manda, a ciência mantém conceitos do tipo: o Sol e os outros planetas giram em torno da Terra, ou o camaleão se alimenta de ar e por aí vai. 

A aventura começa quando um dos amigos dela de brincadeira é sequestrado... Pera esqueci de algo muito importante. Esqueci de falar do Pantalaimon!


Pois bem, Pantalaimon é o dimon ou daemon(?) de Lyra. E o que vem a ser um dimon? É um ser que lembra aqueles diabinhos que ficam no ombro dos personagens de desenho, com um pouco de totens dos nativos americanos, animais espirituais que representariam a pessoa, representariam suas emoções e serviriam como consciência e companheiros. Se eu não me engano há uma lenda grega a respeito dos dimons e foi daí que veio essa história de diabo no ombro... mas como não tenho certeza vai ficar por alto assim mesmo.

 É muito interessante ver a interação dos humanos com seus dimons. As emoções dos personagens ficam muito mais claras, principalmente nas crianças porque os dimons delas ainda não se fixaram em uma forma única e ficam mudando a todo momento; se estão com medo se transformam em um rato, por exemplo, e se escondem nas roupas de seu humano. Quero o meu.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Extremo - Contos sobre o Fim do Mundo (inscrições abertas)





Olha o fim do mundo aí, gente. Samba, samba, samba. 


Tá com alguma ideia legal para escrever um conto sobre o fim do mundo? Quem nunca? A Editora Andross 'tá recebendo textos com essa temática. ^^  

Você pode participar da coletânea EXTREMO - CONTOS SOBRE O FIM DO MUNDO, organizada pelo escritor Alex Mir.


Qualquer pessoa pode participar. Para submeter um texto à avaliação, basta acessar o site da editora www.andross.com.br


O prazo para recebimento de textos vai até 30 de abril de 2017 e o lançamento será em outubro de 2017, no evento Livros em Pauta.


SINOPSE: O fim está próximo. E essa não é apenas uma frase em uma placa, exibida pelas ruas por um ancião de fala desconexa. É muito mais do que isso. Aquela notícia de uma intervenção militar, de pessoas se atacando nas ruas, de um meteoro passando próximo à Terra, de um possível tsunami, de terremotos castigando várias cidades, erupções vulcânicas... pode ser o início da extinção de tudo aquilo que construímos ao longo dos milênios. Os visionários autores deste livro levam as palavras ao extremo para alertar a humanidade sobre aquilo que ela teme há tempos: o fim do mundo.


'Té mais.


No meio do caminho tinha uma orquestra


A gente estava de boas andando pela rua quando nos deparamos com isso. =D Uma orquestra. Na verdade, o vídeo foi filmado em novembro do ano passado, mas antes tarde do que nunca. 




sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Notícia: nova trilogia no mesmo universo de A Bússola de Ouro




Sim! SIM...! 

Philip Pullman, o autor da trilogia Fronteiras do Universo (A Bússola de Ouro), anunciou que vai voltar ao mesmo universo com uma nova trilogia de livros, com o primeiro volume saindo ainda no segundo semestre de 2017, vulgo este ano, \o/

Vocês não tem noção de como tô feliz com essa notícia. Já não bastava saber que em 2018 terá uma série adaptando os livros da Fronteira do Universo, ainda me aparece essa informação. Não sei como lidar. 

Ao que parece a série se chamará Book of Dust (Livro do Pó... talvez fique assim em português, ou não). Serão apresentados novos personagens; e a história começará 10 anos antes dos acontecimentos da trilogia anterior e terminará 10 anos depois. 

Não vai ter a Lyra como foco, mas vai ter dimons e viagens entre mundos. Espero que se mantenha o nível fantástico e crítico dos outros três livros. Enfim, a data de lançamento do primeiro livro é 19 de outubro de 2017, agora é só esperar. 

Ai ai... é isso. 'Té a próxima.


Fonte: https://www.penguin.co.uk/articles/features/2017/feb/the-book-of-dust/


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Uns contos do Rubem Fonseca (Feliz Ano Novo)



"É  tão fácil matar uma ou duas pessoas. Principalmente se você não tem motivo para isso."

Página 159


 Feliz Ano Novo é um livro de 15 contos publicado e censurado na década de 70, de acordo com a contracapa: "sob alegação de 'exteriorizar matéria contrária à moral e aos bons costumes'". O Brasil atual ainda se vê bastante nessas páginas e até nega isso.

Mas aqui não vim falar de todos os contos, só dos meus preferidos:

Um Passeio Noturno

A pegada do Rubem Fonseca é bem urbana e violenta. Nesse conto o tema é o stress, é basicamente sobre como um homem faz para relaxar ao chegar em casa depois de um dia de trabalho. Lá está a família (a esposa, a filha, o filho), os problemas o acompanhando, então ele resolve sair de carro toda noite para um passeio.

É o tipo de conto que pode te deixar um pouco paranoico de andar na rua... se é que já não está... não é mesmo? Por mais que conheça uma pessoa, você não sabe o que ela pode fazer; estamos em um estado de alerta eterno, pode ser perigoso parar num sinal à noite, ou passar por uma determinada rua, ou mesmo dar carona.
   


O outro

Estamos na pele de um executivo, que pelo excesso de trabalho tá com a saúde na merda, à beira de um enfarte; para relaxar um pouco um médico manda ele fazer caminhadas. Porém, um problema maior se forma quando surge um sujeito pedindo esmola. Quase todos os dias esse estranho tá lá na calçada, no meio do caminho espreitando.


"No dia seguinte, na hora do almoço, quando fui dar a caminhada receitada pelo médico, o mesmo sujeito da véspera me fez parar pedindo dinheiro. Era um homem branco, forte, de cabelos castanhos compridos. Dei a ele algum dinheiro e prossegui."

Página 88

Isso se repete, o cara começa a se sentir perseguido, não adianta mudar a rota, ou correr, ou mesmo parar de trabalhar e ficar em casa... uma hora ou outra vai ser obrigado a sair e o sujeito pode estar lá fora esperando.  

O medo cresce no ritmo do "barulho de saltos de sapatos batendo na calçada como se alguém estivesse correndo atrás de mim" (página 89). O outro é insistente e ameaçador. 

Não vou escrever mais nada aqui sobre esse conto porque ele muito curto, tem 4 páginas na minha edição que é da Companhia das Letras, e qualquer spoiler pode sair sem querer. ; ) 


74 degraus

Agora, sim, o meu conto favorito.


À primeira vista é um texto confuso, e por isso que tem meu amor. Eu li umas três páginas dele e fiquei: "não tô entendendo nada". Voltei pro começo e me perdi logo no segundo degrau. 'Reiniciei de novo' a leitura, só aí que entendi como funcionava o conto, foi um belíssimo 'mind-blowing'.  




Aí 'reiniciei de novo novamente' o conto. 


Conhecemos Tereza, uma mulher entediada com a vida numa casa cheia de quadros e estátuas de cavalos, e cujo marido sofreu um acidente ao cavalgar ficando tetraplégico.



Então vão chegando algumas visitas. Uma amiga com um embrulho nas mãos. Um rapaz que conhece o marido de Tereza. Ah! Mas o melhor do conto não é exatamente a história e sim como ela é contada. "Como assim?" Isso pode ser considerado um spoiler... (CUIDADO!) no entanto, preciso compartilhar isso: praticamente cada mudança de parágrafo muda junto a perspectiva de quem tá narrando a história.



O conto é em primeira pessoa e vai alternando entre a Tereza, a amiga, o rapaz etc. e é uma mudança brusca, você estranha logo de cara, entretanto, o autor não avisa que as coisas mudaram e por isso o leitor tem que prestar atenção na leitura e lembrar dessa brincadeira até o final. Esse recurso narrativo vai criando uma tensão além de deixar o conto em algumas partes com um ritmo acelerado, indo da mente de um personagem para a de outro. S2



"Chamei os melhores médicos, os melhores, do Rio e de São Paulo, mas a medula havia sido rompida bem em cima, ele não podia nem falar nem se mexer, respondia piscando os olhos, estava consciente, mas não conseguia fazer nenhum movimento, nem respirar, o ar era injetado nos pulmões por um tubo enfiado na traqueia.

Coitado."
Página 150


É isso. 'Té mais. 



P.S.: Pensei em falar aqui sobre o conto que dá nome ao livro "Feliz Ano Novo", mas como ele trata de várias coisas, ele merece ser discutido num texto separado... que pode demorar a aparecer.


Mão de Ferro - Contos Distópicos (inscrições abertas)




Olha mais uma coletânea de contos da Editora Andross aí gente. \o/ Dessa vez para contos de temática distópica. Aquele futuro problemático. Aquela linda crítica aos nossos tempos. 

Você pode participar da coletânea MÃO DE FERRO - CONTOS DISTÓPICOS, organizada pelos escritores Paola Giometti e Hugo Sales.

Qualquer pessoa pode participar. Para submeter um texto à avaliação, basta acessar o site da editora www.andross.com.br

O prazo para recebimento de textos vai até 30 de abril de 2017 e o lançamento será em outubro de 2017, no evento Livros em Pauta.


SINOPSE: Lincoln disse que o caráter de um homem é colocado à prova assim que ele é alçado ao poder. E o coração, outrora macio e quente, se torna rijo e gélido, com sede de mais autoridade, conquistada com punhos cerrados e brados graves. Aos oprimidos, restam-lhes apenas esperança e resistência.




Essa é uma oportunidade de ver um texto seu publicado.

domingo, 5 de fevereiro de 2017

"Cegos que, vendo, não vêem." - Saramago


"Depois, como se acabasse de descobrir algo que estivesse obrigado a saber desde muito antes, murmurou, triste, É desta massa que nós somos feitos, metade de indiferença e metade de ruindade."

Página 40

E se agora do nada antes de terminar de ler esse texto você ficasse cego, não uma cegueira comum, mas uma cegueira branca, e o pior: uma cegueira contagiosa?

Este é o ponto de partida do livro do Saramago, este português conhecido por usar a pontuação de forma única. Isso é até algo bom de esclarecer logo de início, tem gente que afirma que o Saramago não usa pontuação... ele usa sim, e usa é muito a vírgula. Muito mesmo. O que ele não usa é o travessão, pelo menos em alguns de seus livros. "Então as falas são marcadas com aspas?" Não. As falas ficam dentro do parágrafo e o começo delas é marcado por uma letra maiúscula. "Oi?" Pois é.

Certo. Voltando à história. As pessoas atingidas por essa cegueira branca começam a entrar em pânico. Os médicos não sabem o que está a causar esse fenômeno. O jeito é pôr todos os 'infectados' em uma espécie de quarentena até se descobrir o que fazer.   

Como há o risco de contágio, nenhuma autoridade quer colocar ali dentro uma pessoa que ainda enxerga para cuidar e organizar as pessoas. Tá tudo liberado \o/ Então, soltamos o caos que guardamos dentro de nós, e as pessoas revelam a verdadeira face, não é necessário mais manter as aparências.   



Podemos classificar a história como "apocalíptica", já que durante o livro várias estruturas sociais da atualidade são posta à baixo. Ao longo da narrativa vemos muita degradação, tanto em pequena escala como em grande escala.

O livro não é preso a algumas e simples consequências da cegueira branca, ele vai muito além e é muito abrangente em analisar a humanidade. Poderia dizer até que é bem completo nesse sentido. Temos cenas sobre religião, sobre justiça, sobre pessoas se matando por comida, sobre moral etc.

"Por que foi que cegámos, Não sei, talvez um dia se chegue a conhecer a razão, Queres que te diga o que penso, Diz, Penso que não cegámos, penso que estamos cegos, Cegos que vêem, Cegos que, vendo, não vêem."

Página 310



Como não poderia faltar num texto sobre Ensaio sobre a cegueira vamos cair na discussão da "cegueira moral". Juro que vou ser breve. Como está na epígrafe do livro: "Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara.", acabamos ignorando muitas das coisas à nossa volta... muitas pessoas também. Um parte do mundo passa por nossos olhos como se fossemos cegos. Ignoramos.

Rum bora cantar? "Look down and see the beggars at your feet/Look down and show some mercy if you can" (olha para baixo e veja os pedintes a seus pés/olhe para baixo e mostre um pouco de misericórdia se puder). Ó Os Miseráveis aí gente. Olha o Gavroche dando na nossa cara. Não consegui não fazer a relação, desculpa aí.



Não encontrei essa parte com legendas em português... '-' 

Voltando. Vale dizer também que o Ensaio sobre a cegueira não é dividido em capítulos, e alguns parágrafos são enormes, coisa de mais de uma folha ^^

Sintam-se avisados. Ah! Tem o filme também, que é muito bom, porque quando a adaptação faz o escritor chorar de felicidade a gente senta e assisti.

Então é isso, grifos. 'Té mais.

Leituras de 2016, trocas e metas para 2017


"Só agora que vocês vão fazer isso?"

Sim, isso mesmo.


Vai ser em fevereiro que vamos fechar o ano de 2016, e se for seguir o calendário chinês ainda estamos no prazo do ano novo; e, melhor ainda, se for seguir o calendário brasileiro, o ano só começa depois do carnaval. :P  

Bora começar isso logo. \o/

No ano passado fui bem nas leituras, não sei ao certo quantas, mas tivemos várias resenhas aqui no blog. Então, tá aí um top 3 com os melhores livros lidos no ano passado: 

1. A Força das Coisas - Simone de Beauvoir 

Comecei esse livro em dezembro de 2015 e só fui terminar em abril de 2016 '-' Esse além de ser um livro maravilhoso e altamente recomendado foi um daqueles livros que me senti realizado ao terminar a leitura, aquele sentimento de missão cumprida depois de alguns meses lutando com suas 700 e poucas páginas e com outras inúmeras coisas a fazer ao mesmo tempo. 

A Força das Coisas é a última uma parte  da autobiografia e o único livro que li da de Beauvoir até agora. (aqui) Até agora...


2. 2001: Uma Odisseia no Espaço - Arthur C. Clarke 

Finalmente li esse livro. (aquiDesde que assisti ao filme do Kubrick e bugar com o aquele final fiquei maluco pra ler esse livro. Agora já coloquei o Arthur na lista de autores pra ler mais qualquer coisa dele, marquei aqui O Fim da Infância e Encontro Com Rama, são os próximos dele que quero. 

A narrativa do Clarke é tão gostosa que quando você percebe acabou-se o livro. Não preciso nem falar da edição em forma de monólito da Editora Aleph, né? 💟


3. Anardeus - Walter Tierno

A surpresa do ano. Confesso que não esperava tanto dele. Esse não sei nem explicar direito como foi, é um livro tão curto, tão violento, é bem "soco, soco, bate, soco, soco, vira, vira" mesmo, além de poético(?), e dá pra gente pirar encima dele e refletir sobre tantas coisas. Ah...! é o tipo de livro lei-apenas-leia. (aqui) Um espelho do nosso cotidiano agitado. 



Extras

O Mágico de Oz, (aqui e aqui) lido no começo do ano, foi um dos primeiros que li em inglês. Nesse ano ainda li The Cursed Child, (aqui) que mesmo sendo uma decepção não deixa de ser Harry Potter e merece uma menção.  

Jurassic Park, (aqui) fiquei feito menino lendo sobre dinossauros. ^^ E o melhor é que tem continuação: O Mundo Perdido, Michael Crichton.

Pra encerrar 2016: esse foi o ano que aderimos ao hábito de trocar livros. Na verdade, fiquei viciado nisso, começamos em maio (aqui) e de lá pra cá já troquei 6 livros por esses:

1. O incolor Tsukuru Tazaki e seus anos de peregrinação - Haruki Murakami

2. O Caçador de Pipas - Khaled Hosseini  (aqui)

3. O menino do pijama listrado - John Boyne (aqui)

4. Um Certo Capitão Rodrigues - Érico Veríssimo

5. Menino de Engenho - José Lins do Rego

6. O Homem de São Petersburgo - Ken Follett 

 E já tem mais uns aqui pra trocas futuras. XD   Mais pra frente vão aparecer umas resenhas aí.


Agora sim... acabou... com 2016 devidamente fechado, bora pras metas de leituras para 2017, separei apenas 4 livros:

1. Tempo de Matar, que fala sobre racismo e pena de morte nos USA, o livro começa com uma cena de estupro de uma menina negra... enfim, a Rocco tem duas capas pro livro uma é com uma cruz pegando fogo e a outra é com o povo da ku klux klan encapuzado, dá pra sentir que é um livro super leve.    

2. Grande Sertão: Veredas, esse aqui tentei ler ano passado e por motivos alheios a minha vontade a leitura parou. Resolvi retomar a leitura desde o início e agora pegando a dica de ler em voz alta... vai ser uma maravilha aqui em casa... 

3. O incolor Tsukuru Tazaki e seus anos de peregrinação, é um livro de um japonês falando sobre morte... não preciso dizer mais nada. 

4. Os Irmãos Karamázov, outro que comecei a leitura, li umas 50 páginas e já percebi que o bagulho ia ser louco, parei porque não era o momento pra ler esse tijolo russo. Tô com esse livro parado há uns 2 anos, bora ver se nesse ano sai. 




Quais foram os melhores livros que vocês leram em 2016?

E quais são suas metas de leitura para 2017?

Era isso pessoal. 'Té mais \o/


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...